terça-feira, 18 de novembro de 2014

O VERNIZ DOS SANTOS POLICROMADOS - sinopse


A dificuldade para uma justa avaliação dos fatos ficou mais uma vez evidente quando aquele menino de origem quilombola ascendeu finalmente a uma posição de destaque. Haviam se tornado uma comunidade, em sua maioria órfã de seus antigos luminares, já que, há quase meio século uma guerra varrera a nascente indústria da Poesia e do Folheto, provocando a dispersão dos mestres cordelistas e cantadores de viola, duas expressões de cultura, que, tomando por base a literatura de almanaques (bibliothéque bleu), tinham feito mais pela elevação dos níveis educacionais que o conjunto de ações do Estado. Ao tomarem a si, em primeira mão, a triagem e propagação dos fatos da realidade, aqueles antigos Folhetinistas, Editores de Almanaques, Conselheiros e Cantadores detinham o monopólio dos juízos. A par disso, uma estranha praga começa a atacar a cultura do algodão que tinha sido até ali a base material daquela sociedade agrária. Os ditados de aldeia são pálido vestígio restante de antiga curiosidade pelas possibilidades da língua e por maiores alcances cognitivos, hábitos a sobreviver talvez numa forma apenas atávica, ora sucumbidos numa capa de preconceitos e superstições.  


http://www.osebocultural.com/galeria/100,,alberto-lacet/galeria.html

sábado, 7 de junho de 2014

DROPS DE LETRAS




 Não tinham digerido ainda a mais nova irrupção sonora vinda da rua, e ainda longe de refeitos do feroz tiroteio de há pouco (a cidade inteira longe disso), estremeceram fortemente quando a buzina da bicicleta do pão estourou para dentro da mercearia seus aproximadamente oitenta decibéis de alarmante desespero em tom menor, aplicando susto geral a todos. 
 Sem ser visto, Menino Francisco estacionara a bicicleta do pão na calçada lateral. A bombinha de borracha na embocadura da corneta era tudo de que precisava para provocar sustos nos outros. Há mais de um ano na entrega, não conseguira ainda fazê-la falar. Mas a brincadeira resultou benéfica: tinha provocado descarga emocional e liberado tensão. Todos riram depois, Cuidado no tiro, Menino Francisco, brincou Adauto DChiquinha, Cem de sal e 20 doces, disse Dega, estendendo o balaio.
Menino Francisco tinha a cabeça abaixada enquanto fazia o translado do pão, Parece que a ambulância foi pegar Pedrinho de Arnaldo, baleado para morrer, disse. Dega perguntou quem havia dito aquilo, e ele, Ôxente, seu Dega, eu vi. Estirado na rua, arrodeado de gente. De volta manobrando a bicicleta, antes de montar, perguntou, E amanhã
Era sempre assim, nos últimos dias do mês, antes do pagamento, a conta do pão caía até por mais da metade. Os fregueses iam encolhendo os gastos diários para evitar excesso de mês no final do bolso. Economizavam com objetivo de comer menos, mas depois do pagamento o nível de consumo voltava ao padrão de antes, e em dia de pagamento, como aquele, o normal seria dizer ao Menino Francisco que dobrasse a medida para o dia seguinte, acrescida de uma variedade de bolachas. Mas agora, com aquilo acontecendo, não ia arriscar, O mesmo de hoje, respondeu.                       

                   

                       O VERNIZ DOS SANTOS POLICROMADOS  -   Romance, 182 pags.  Copyright by 2014, Alberto Lacet 1. Literatura. 2. Ficção. 3. Literatura brasileira. 1.Título. ISBN 978-85-8469-008-4