terça-feira, 18 de novembro de 2014

O VERNIZ DOS SANTOS POLICROMADOS - sinopse


A dificuldade para uma justa avaliação dos fatos ficou mais uma vez evidente quando aquele menino de origem quilombola ascendeu finalmente a uma posição de destaque. Haviam se tornado uma comunidade, em sua maioria órfã de seus antigos luminares, já que, há quase meio século uma guerra varrera a nascente indústria da Poesia e do Folheto, provocando a dispersão dos mestres cordelistas e cantadores de viola, duas expressões de cultura, que, tomando por base a literatura de almanaques (bibliothéque bleu), tinham feito mais pela elevação dos níveis educacionais que o conjunto de ações do Estado. Ao tomarem a si, em primeira mão, a triagem e propagação dos fatos da realidade, aqueles antigos Folhetinistas, Editores de Almanaques, Conselheiros e Cantadores detinham o monopólio dos juízos. A par disso, uma estranha praga começa a atacar a cultura do algodão que tinha sido até ali a base material daquela sociedade agrária. Os ditados de aldeia são pálido vestígio restante de antiga curiosidade pelas possibilidades da língua e por maiores alcances cognitivos, hábitos a sobreviver talvez numa forma apenas atávica, ora sucumbidos numa capa de preconceitos e superstições.  


http://www.osebocultural.com/galeria/100,,alberto-lacet/galeria.html